O que esperar de uma consulta de Osteopatia?!

Visto que a osteopatia é uma terapia relativamente recente a nível mundial, e ainda mais recente em Portugal, é muito frequente que as pessoas não tenham o conhecimento do que faz um Osteopata em uma consulta, este texto serve exactamente para colmatar um pouco essa lacuna.

Antes de vos falar sobre o tema em questão, acho pertinente falar do que geralmente se passa com o cidadão comum antes de decidir se consultar com um osteopata.
Como já foi acima referido de um modo geral a população portuguesa tem um certo desconhecimento sobre o que é, e o que trata a Osteopatia, como tal é bastante comum, o osteopata ser procurado como a ultima esperança para resolução do problema, esta situação tem vantagens e desvantagens, a desvantagem está no facto de o problema se agravar e ser posteriormente mais difícil de se resolver; por outro lado existe uma vantagem para o osteopata, visto que quando o paciente se desloca ao nosso consultório, já trás consigo uma "bagagem" de experiências com médicos, fisioterapeutas, e exames complementares que de um modo geral nos facilitam bastante aquando o diagnóstico.


DIAGNÓSTICO

Tudo começa no acto da marcação da consulta, quer seja por telefone quer seja pessoalmente, é necessário ter em conta os seguintes factores, profissão, idade, localização do problema, com estes dados o osteopata ficará com uma ideia da gravidade do problema, e se o problema em questão pode ser tratado por ele (é bastante comum as pessoas ligarem, na busca de um tratamento cujo problema que diz respeito a um ortopedista, e perante essa situação é dever do Osteopata encaminhar por telefone para um ortopedista poupando assim gastos desnecessários a quem fez a chamada).

No dia de consulta o paciente irá ser entrevistado pelo osteopata (anamnese), nesta fase o paciente será questionado em relação à sua história clínica, historial clínico de familiares mais próximos (ex: pai e mãe), origem do problema (a quanto tempo é que surgiu a dor). Esta fase da consulta é de extrema importância pois a partir desse momento é que começa a ser feito o diagnóstico. Na fase seguinte dá-se inicio o exame físico, começando pelo exame estático a finalidade deste exame é detectar as assimetrias existentes no corpo do paciente. Seguidamente dá-se inicio ao exame dinâmico e a fase final de diagnóstico diferencial.
Após está fase da consulta, o Osteopata já terá objectivamente uma ideia de qual o problema e de como p irá tratar na sua origem.

Um dos meus professores de Osteopatia não se cansava de dizer "Um bom osteopata executa boas técnicas de tratamento, mas um excelente osteopata executa um bom diagnóstico". O que ele queria dizer com isto é que não adiantaria nada tratar um problema apenas no local onde doí mesmo fazendo uma técnica perfeita, porque esse mesmo local poderia não ser o ponto de origem da dor estando o terapeuta a tratar um sintoma e não a causa do problema. Após um bom diagnóstico será possível detectar a origem do problema, tratando assim o foco inicial da dor, o resultado será um tratamento muito mais efectivo e uma redução praticamente total da dor.

TRATAMENTO

Com o diagnostico efectuado passamos a fase do tratamento.

Nesta fase o osteopata irá aplicar as técnicas mais indicadas para a resolução do problema em questão.
A selecção das técnicas a usar varia consoante diversos factores, como idade, género, peso, estrutura óssea (mais ou menos frágil) entre outros.
Normalmente o tratamento osteopático não é doloroso, mas este factor depende muito da evolução do problema, sendo que quanto maior for a sintomatologia, maior poderá ser a probabilidade de sentir dor durante o tratamento.
Após o tratamento efectuado, é necessário que o corpo se adapte ao que foi feito, por isso é bastante comum que os pacientes relatem uma melhoria progressiva até três ou quatro dias após a consulta.
Mediante o problema em questão poderá ser necessário, repetir o tratamento, caso não haja essa necessidade, é recomendado ao paciente fazer consultas regulares em períodos de seis meses prevenindo assim o aparecimento futuro de dor.

FINAL DA CONSULTA

Por fim após o tratamento efectuado, o osteopata tem o dever de aconselhar o paciente quer seja ao nível de actos posturais em casa e no trabalho, quer seja na indicação de exercícios para casa. É facto que uma grande parte das lesões que tratamos tem origem nos esforços/movimentos efectuados no trabalho, e como tal é necessário informar e aconselhar de modo a que a situação agora tratada, não se volte a repetir.

Sem comentários:

Enviar um comentário